Maite Perroni: “Ao atuar, pude compartilhar histórias de mulheres de sucesso” (Young)

Entrevistas Notícias

Maite Perroni estampa revista Young de Novembro e realizou uma entrevista exclusiva onde contou sobre os projetos futuros e e também sobre os que já estão prestes a ser lançados. Confira!

A atriz e cantora Maite Perroni estrela o número 26 da Revista YOUNG. Conversamos sobre seus últimos projetos na HBO (“El Juego de Las Llaves”) e lançamentos, bem como seu início no grupo musical RBD e na interpretação.

Há um ano, você abriu aos falantes de espanhol o mundo de The Greatest Showman, com a adaptação ao castelhano de This Is Me, que se chama “Asi Soy”. Como fã dessa música, eu tenho duas perguntas: Como surgiu essa oportunidade? O que significou para você colocar sua voz em um assunto muito difícil?

A música saiu em dezembro de 2017, exatamente quando o filme foi lançado. Foi uma ótima notícia, porque desde criança me lembro de assistir filmes como “Hércules”, onde Ricky Martin interpretou a música “No Importa la Distancia” e disse: uau, como é bonito ser convidado a cantar o tema oficial de um filme. De repente, minha vida muda completamente e, anos depois, sou convidada a interpretar a versão latino-americana de “This Is Me”.

Eles me contataram através da gravadora, me enviaram a música e, como eu a ouvi, me arrepiou a pele. É uma música muito forte que fala desse processo de aceitação pelo qual cada um de nós deve passar para ter toda a força necessária para lutar pelo que se quer, independentemente do que eles dirão.

Eu fiz uma preparação especial para a música com o meu querido e talentoso treinador vocal Anibal Murat e depois de várias semanas de aulas viajei para Los Angeles, onde o assunto foi gravada.

Além disso, algo que eu não esperava era que a comunidade LGBT a considerasse um hino para os desfiles que eles fazem ano após ano, onde tive a oportunidade de compartilhar um dia inteiro com eles comemorando que cada pessoa é única e merece ser respeitada como é. sem importar religião, ideologia, cultura, gênero, porque como sempre digo “amor é amor”.

Se olharmos para o passado, lembramos o seu tempo na “Rebelde”, uma série que veio da Antena3 para Espanha, que lembranças você tirou dessa experiência e alguma anedota que pode compartilhar conosco?

Rebelde foi onde tudo começou com a ajuda de 5 companheiros que entregaram nossa alma no palco, agradecendo o amor de tantas pessoas que estavam esperando por nós dia e noite para estar conosco em concerto e na novela. Foram momentos incríveis, tantos que eu não gostaria de mencionar apenas um. Anedotas, aventuras (risos) de tudo! Rebelde sempre será uma parte importante de mim.


Você nunca deixou dois de seus grandes talentos, música e interpretação, o que essas duas disciplinas têm para que você continue lutando todos os dias para continuar trabalhando?

Um levou ao outro. Quando fiz o teste para Rebelde, foi especificamente para atuar e lembro que, quando eles me disseram que Lupita faria parte da RBD, eu disse a eles que não sabia cantar, que era apenas atriz. E eu lembro perfeitamente que eles me disseram “então faça de você que é cantora”. É claro que nós seis fizemos aulas de canto e, com o tempo, continuo tendo aulas desde que a música se tornou parte de mim e, através dela, posso compartilhar mensagens de amor e respeito com um toque latino.

Da mesma forma, através da atuação, pude compartilhar histórias de mulheres de sucesso, mulheres que, como qualquer uma de nós, passam por momentos muito difíceis, mas que aprendem com esses momentos e têm mais força para progredir. Eu sempre disse que “existe uma quebrar tudo, é assim que a luz entra .. “

“Roma” com Mr. Rain foi lançado há 6 meses, você está preparando um novo lançamento? Em caso afirmativo, o que encontraremos, com quem você trabalhará e com quais colaborações esperamos ver?

Por enquanto estou mais focada em atuar, felizmente houve projetos muito interessantes como “El Juego de las Llaves”, “Doblemente Embarazada” que está prestes a ser lançada, a série da Netflix e também comecei a gravar uma série para “Claro Video” e Espanha, que será lançada em 2020 e um filme nos Estados Unidos… são projetos que me entusiasmam muito e que em breve terão mais detalhes.

Ultimamente, vimos você muito envolvido em produções televisivas como “El Juego de las Llaves” no Amazon Prime, um fenômeno no México. Como foi a filmagem e esse trabalho?

Incrível! Gravamos em locais na Cidade do México. Foram semanas muito bonitas, cheias de boas vibrações por todo o elenco, embora houvesse poucas cenas em que estivéssemos todos juntos. Através desta história, contamos uma realidade que raramente é vista na televisão ou em série, como no caso de casais que trocam de casais e a complexidade que ela carrega.

Também recentemente, a série foi premiada como “Série do Ano” no evento “Hombres GQ” da GQ México Magazine e que fala da grande recepção que as pessoas deram a essa história. Estou muito feliz com o resultado e com a grande equipe que se uniu.

Como você se prepara para cada personagem que interpreta, existe um padrão de trabalho que permita modelar seus personagens antes de chegar ao estúdio?

Eu acho que, para abordar um personagem, você primeiro precisa senti-lo, conectar-se a ele e não julgá-lo. Depois disso, vem um trabalho importante, onde você deve ler, analisar e poder colocar os recursos que aparecem subitamente nos sub textos para ter um mapa mais amplo e o ambiente do personagem para saber de onde vem, para onde está indo e mesmo que isso pareça um clichê para mim, é importante porque dessa maneira eu posso descobrir um pouco mais do que senti na primeira leitura e depois disso, acho muito importante entrar em ação, entrar em movimento, improvisações, descobrir sua corporalidade e nessa descoberta acho que que há muitas coisas que lhe dão vida e forma até que você possa chegar ao set e saber quem é o personagem que vai falar e contar essa história.

Em dezembro, você chega como protagonista do filme “Doblemente Embarazada”, dirigido por Koko Stambuk e do qual você é produtora associada, como foi esse passo de ser direcionado para ser produtora? O que esse filme levou você a apostar nele?

“Doblemente Embarazada” é um filme que eu gosto, porque é um filme leve, divertido e familiar que, ao mesmo tempo, tem uma mensagem muito informativa, pois é um tópico que não é discutido, porque não há muita informação sobre ele. fertilização heteroparental, o que significa que uma mulher pode engravidar de 2 homens e ter uma gravidez gemelar e cada bebê ser filho de um homem diferente, cada bebê para cada pai, tem um período claro de ovulação (em lapso de 36hrs) .. Então, se você fizer sexo com duas pessoas dentro de 36hrs, poderá ter uma gravidez gemelar e os filhos ser de um pai diferente. Acho isso muito interessante, muito atraente, porque além de informar às pessoas que isso existe, que isso é real, elas serão informadas sobre uma pintura amigável, familiar, divertida e leve, e é uma aposta de um primeiro passo para aprender a dê outros passos no cinema aprendendo com grandes nomes como Cris Hool, que é o produtor junto com Koko Stambuk.

Para mim, aprender com quem sabe fazer é algo importante e está dando passos aos poucos que me permitirão continuar contribuindo e propondo coisas no futuro. Essa é a primeira abordagem para começar a aprender, foi um processo interessante no qual você teve que contar uma história de um evento real, mas contá-la de uma ficção e, portanto, ela se torna muito divertida e com um elenco como Gustavo Egelhaf, Verónica Jaspeado e Matías Novoa que acho que conseguimos apreciar o processo de filmagem e agora estamos ansiosos para que as pessoas o vejam, aproveitem e possam se divertir conosco e que o cinema também tenha esse objetivo, poder fazer você entrar em um mundo e saia da sua um pouco para ouvir outra história.

Você pode nos contar um pouco sobre o que é e como está seu personagem?

Em “Doblemente Embarazada”, interpreto Cristina, uma mulher que, devido às circunstâncias da vida, acaba grávida de 2 homens diferentes. Em breve saberão mais …


Vamos falar sobre projetos futuros, em 2020, você dá um salto para a Netflix em uma série com Jorge Poza, Regina Pavon, Erik Hayser e Alejandro Speitzer. Duas perguntas, como você ganha tanto tempo e outra , o que você pode nos dizer sobre esse projeto?

Hahaha às vezes eu nem sei haha, acho que quando você faz o que gosta e você tem uma equipe que ajuda a coordenar todas as coisas correm bem. E sim, este projeto também me empolga demais. Você pode vê-lo no próximo ano, então convido todos a  acompanhar minhas redes sociais e Netflix, para que não percam mais detalhes.

Créditos: Site MaiPerroni & Revista Young (Entrevista)

Camila Cabral

Uma menina/mulher um pouco com grandes sonhos, com amor imenso pela Maite. Uma de minhas paixões dedicar um pouco do meu tempo ao MaiPerroni.

http://www.maiperroni.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *