page_72

Chega a revista Zero Magazine MX a segunda #MujerZero em nossa história, a talentosa e bela Maite Perroni. Conversamos com ela sobre sua carreira de atriz e cantora.

Quando se interessou pelo mundo do espetáculo? Com que idade?

Desfrutei muito minha infância e chegar da escola e fazer minhas tarefas, jogas e ver desenhos, não sonhava em me dedicar a  atuação o ao canto; simplesmente foi algo que foi acontecendo. O que eu apenas fazia era participar de colegiais de balé e Jazz, mas sempre considerei como uma atividade extracurricular e não como uma projeção para o futuro. Tudo começou quando terminei o ensino médio e acompanhei uma amiga em um casting (teste)  onde havia 500 pessoas, e dessas 500 pessoas foi se eliminando até que cheguei entre os 20 finalistas; desfrutei desse processo. E foi assim que comecei a escrever essa história…

Qual foi a reação da sua família?

No começo não imaginavam porque na minha família não tinha ninguém que se dedicava a isso. A reação dos meus pais foi muito positiva e me disseram “Ok” mas que iria ter o mesmo compromisso como se estivesse estudando qualquer outra carreira, que teria que me comprometer da mesma maneira.

Como começou? Onde e como se preparou para ser atriz e cantora?

Tive a oportunidade de me preparar no CEA na Televisa porque quando estava estudando o ensino médio estive em um colégio onde estudava o filho do diretor do CEA. Um dia me disse que se eu quisesse podia fazer o casting, mas havia dito que não era o que tinha em mente. Anos depois fui a casting que te falei, e logo depois me aproximei do diretor do CEA fiz o teste e fiquei como aluna.

Conte-nos sua impressão como atriz e cantora; como foi sua primeira oportunidade? Qual foi a melhor e a pior?

Minha primeira oportunidade foi com Pedro Damián. Todos do CEA fomos fazer o casting para Rebelde e depois de meses onde estivemos em cursos de canto e atuação foi quando me avisaram que estava no projeto. Não posso dizer qual melhor oportunidade que outra porque em todas se aprende, se obtém grandes aprendizagens.

Rebelde e RBD foi um fenômeno, o que te deixaram essa experiência?

Rebelde sucedeu no momento exato e na idade ideal, me serviu para me dar conta que esta profissão que queria fazer. Foi uma grande preparação. Entrei sem saber nada e tudo que vivi no RBD foi forjando minha carreira porque foi o momento exato para absorver tudo que podia. Foram minhas primeiras oportunidades de estar de frente para o público e era uma responsabilidade enorme, além que tínhamos uma quantidade incrível de espectadores. Agora ao recordar esses momentos, só posso sentir orgulho e amor. Foi uma surpresa para todos que passou com o grupo e a novela.

O que deve ter os projetos para que decida fazer parte?

Por exemplo em “Antes muerta que Lichita” foi uma grande oportunidade porque falava sobre o bullyng que é algo da vida real e para mim foi uma maneira de mostrar como uma mulher se enchia de valor para enfrentar esse problema. Além os personagens eram seres humanos que atuavam de acordo com que estavam vivendo realmente, os personagens não devem ser tão distantes da realidade para contar uma história.

Com quais criativos mexicanos (atores, diretores, guias, fotógrafos e desenhadores, etc…) gostaria de trabalhar ou ter uma colaboração?

Há muito talento mexicano, pessoas com muita visão que se pode ir aprendendo seria injusto mencionar só alguns. Por exemplo Kris Goyri é um desenhador mexicano que tive a oportunidade de trabalhar anteriormente e me encanta seus desenhos. Também há atores como El Flaco Ibañez ou diretores como Benjamin Cann (Diretor de cena de “Antes muerta que Lichita”) que são pessoas que deixaram sua marca em mim e que formaram parte da minha história.

Vivemos na era das redes sociais e como celebridade, seus fãs estão muito pendentes dele, como é sua relação com os fãs das redes sociais?

As redes sociais é uma ferramenta maravilhosa porque me permite ter com eles uma relação muito próxima porque além, são muitos que estão comigo desde primeiro dia que iniciei essa aventura, Somos uma equipe que tem caminhado juntos todos estes anos, e o melhor é que o tempo faz que esses laços sejam cada vez mais forte.

O que segue para Maite Perroni na atuação e na música?

Agorinha estou focada na música e logo lançarei meu novo single que será parte do meu segundo material discográfico, já levamos uns meses trabalhando nele e tomando novas decisões esperando que gostem. Além estarei no Brasil e Espanha este ano levando minha música com a “Tour Love 2016

Como crê que deve ser um bom mexicano?

Nunca se devem esquecer suas raízes, de onde é e sentir –se orgulhosa e ao mesmo tempo ter toda entrega e força para seguir adiante e gerar o melhor para sua família para por em alto o nome do México. Se todos os mexicanos nos unirmos podemos fazer uma diferença para gerar respeito e valor no trabalho de todos nós.

SCANS

Créditos: Site MaiPerroni & Zero Magazine (Scans)

 


Camila Cabral

Uma menina/mulher um pouco com grandes sonhos, com amor imenso pela Maite. Uma de minhas paixões dedicar um pouco do meu tempo ao MaiPerroni.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *