Maite Perroni estampa a capa da revista Estilo DF. Confira!

Pós completar 2017 cheio de trabalho e sonhos cumpridos, se delineia para aproveitar este 2018 cheio de sucessos, que começará com o lançamento de “Como Yo Te Quiero“, um single que mostra sua paixão por ritmos latinos. O tema, que será lançado na próxima sexta-feira 19, é uma música que compartilha trabalho com Alexis e Fido, mostra o rosto romântico do gênero urbano e evidencia sua evolução como cantora.

Na década e meia que leva como atriz já são cinco anos como solista, Maite Perroni destacou três aspectos que este ano ela procurará manter a flote: reinventando sua proposta, explorando territórios desconhecidos e deixando sua alma em cada um de seus projetos. A telenovela Papá a toda madre, onde ela dá vida a uma jovem trabalhadora e sonhadora com quem pretende identificar centenas de mulheres, bem como a interpretação do tema principal do filme

El Gran Showman (versão em espanhol) são dois projetos com aspectos em comum: eles preenchem seu presente com plenitude e transmitem mensagens encorajadoras. Para esta capa, a atriz e a cantora nos contam sobre seu single mais recente, sua paixão por sons de dança, seu papel principal na televisão, bem como o seu debut musicalizando um filme, um sonho que ela teve desde que ela era uma criança e foi cumprida semanas atrás.

Bastidores

Entrevista

2017 foi frutífero para você na atuação, musical e até mesmo com uma colaboração sólida para o cinema,  que aprendizagem deixou?

Foi um ano importante em muitos aspectos, de muita reflexão, ensinamentos e experiências que fortaleceram a alma; Eles mudaram muitas coisas para o bem e para o mal. Profissionalmente, foi um ano generoso para a oportunidade de estar na televisão com uma história para a família que aborda questões reais sobre o casal, mulheres e homens na sociedade, bem como os novos papéis que eles desempenham. Com “Loca”, recebemos ouro único na Colômbia, Chile, Espanha e México e, portanto, feliz em apresentar a próxima versão. O tema do filme foi uma surpresa, é como um sonho tornado realidade porque desde que eu era pequena, gostava de pensar que eu era um artista que fazia o tema de um filme da Disney.

No aspecto musical, apreciamos uma série de mudanças, começando com o gênero, quão complicada foi a evolução?

Desde quatro anos, com o Eclipse de Luna, meu primeiro álbum, minha proposta era latina, era minha entrada como solista. Eu fui pela bachata porque sempre soube que o que eu gosto é o som latino e, se eu fiz algo na música, queria que fosse assim. Nesse álbum, há vallenato, balada e pop, com a intenção de não ficar em uma única linha e fazer o que eu nasci na época.

Recentemente aproveitou do sucesso de “Loca”, o que motivou você a se aventurar no gênero urbano?

A oportunidade veio fazer uma transição entre urbano e bachata com “Adicta” e, depois disso, consegui abordar o primeiro gênero na sua totalidade; A verdade é que tem sido algo congruente. Amanhã não sei o gênero que eu poderia tocar, mas tenho a liberdade de fazê-lo.

É um ritmo muito competitivo, muitos artistas o fazem, mas você sonhou com o sucesso que “Loca” conseguiu?

Eu sempre digo “vamos fazer isso e ver o que acontece”, você tem que correr riscos, você tem que fugir e se aventurar. Felizmente, agora ficamos surpresos por bem.

Na próxima sexta-feira você apresenta um novo tópico, que surpresas você preparou?

Continuarei no gênero urbano com “Como Yo Te  Quiero“. Esta música é com os mesmos produtores Andrés Torres e Mauro , mas agora será uma colaboração com Alexis e Fido, daremos continuidade ao que foi ouvido com “Loca”, mas com um novo tema, forma e sons.

Você reafirma seu gosto por convidar vários músicos e cantores para o estúdio, por que escolher esta dinâmica de trabalho?

É interessante colaborar com artistas de outros países, a quem eu respeito por ter uma história na indústria, por seu talento e suas conquistas. Eu acho que isso é o melhor, isso começou há muito tempo e foi muito bom para os cantores, que gostam de compartilhar nossa música; É também uma maneira de se aproximar do público e continuar crescendo, porque em equipe as coisas sempre vão bem.

Qual será a dinâmica de trabalho em 2018, você planeja lançar um álbum ou será só singles?

Pretendo ir para os singles; As coisas mudaram e é muito claro que os CDs já não são vendidos como antes, nem mesmo comprei o álbum completo de um artista, eu procuro a música. Quando fiz o meu primeiro álbum, passei seis meses na composição, gravação, ensaios, produção e gostei, mas hoje é melhor por tópico, então posso fazer colaborações e posso jogar mais no presente.

Você pensou em insistir na composição?

Eu mentiria se a aceitasse, seria colocar uma camisa que não me serve. Eu compus, mas sempre pela mão de outros artistas que me guiam; juntos, podemos alcançar um resultado, como o tema de “Tú y Yo” que escrevi junto com o Koko Stambuk, mas a base da música foi sua experiência. É um processo que eu gosto, mas não dedico muito tempo a isso.

Voltando ao seu trabalho na televisão, em Papa a toda madre  para abordar problemas que podem prejudicar as susceptibilidades, qual foi o desafio desta história?

Qualquer uma das questões levantou a realidade do projeto e todos podem se identificar com uma. Nós contamos uma história com mensagens positivas para toda a família e capturamos uma imagem do que vivemos diariamente. Eles abordam questões importantes como a adoção em um relacionamento gay, que a mulher vai para o trabalho e o homem fica em casa; discriminação, diferença de idade em um casal exposto ao julgamento, e penso que é importante abordá-los com respeito e informação.

Por que pensar em Alexis e Fido para o novo single?

Eu gosto muito deles, sua música “Una en un Million” foi um sucesso total, todos nós a conhecemos e dançamos. Quando eles concordaram em fazer essa colaboração, fiquei muito feliz e espero que as pessoas também gostem.

Qual será a mensagem que você dará com este tema?

É um encontro em que as duas pessoas querem ter, é uma carta romântica, embora seja um gênero feliz, dançar e se divertir, mas a história diz que você quer estar com essa pessoa e criar uma relação formal.

Anos atrás, reggaeton foi criticado por suas letras, agora você nos conta sobre uma história romântica, assunto a dedicar, qual é a evolução que você notou no gênero?

Existem diferentes maneiras de se comunicar e você decide com qual você se identifica. Pessoalmente, não vou fazer um tema urbano que denigre a mulher ou que vá contra a figura feminina; É aí que reggaeton começou há alguns anos, mas foi modificado, não é assim, há muitos artistas que tocam músicas de amor como Sebastián Yatra.

Você se identificou com “Renée”, seu personagem?

Eu gosto de como ela pensa. Ela é uma mulher preparada, ela dá valor à sua família e, ao mesmo tempo, luta por seus sonhos; ela tem segurança no que ela quer alcançar, ela é entregue, comprometida, sensata, inteligente, eu gosto dela e eu gosto de interpretá-la pelo que ela diz e em nenhum momento achei incongruente.

No elenco, existem personalidades diferentes, como eles são alimentados como elenco?

As características que nos tornam diferentes nos complementam e nos equilibram. Cada um contribui para criar o ambiente de trabalho agradável, estamos prestes a terminar de gravar o romance e parece que esse tempo não passou, que é preciso mais para contar porque o projeto tem sido encantador.

Através de suas redes sociais, em qualquer momento, você diz às pessoas que lutem por seus sonhos, bem como seu personagem atual, o que o motiva a fazê-lo?

Porque estou claro que não haverá mais ninguém além de você e da força que você imprime para alcançar o que você propõe, é por isso que parece importante não esquecê-lo, porque em nossas mãos estar construir nossa história. Ninguém vai te dar qualquer coisa ou as coisas vão acontecer se você esperar sentado em sua casa, você deve confiar em você.

Nós a vemos na comédia, mas agora que o 2018 começa, qual gênero você gostaria de explorar?

Como atriz, quero fazer tudo: cinema, teatro e televisão, esse é o objetivo do nosso trabalho, ir de uma etapa para outra e fazer coisas diferentes. Eu não me predispô, simplesmente farei o que eu sou apaixonada, mas não posso avançar antes de um gênero, uma forma ou um personagem, apenas se ele se conectar comigo, eu vou fazer isso.

No final de 2017, nós a escutamos em The Great Showman, o que significa para você ser capaz de fazer um filme musical?

Eu adoro, gosto muito das letras, adoro a mensagem e estou feliz em dar voz a esse tema.

Conte-nos um pouco mais sobre a mensagem da música e sobre como você compartilha …

É uma música que desde que eu ouvi, minha pele ficou arrepiada e minha voz cortou; Lembro-me das primeiras sessões e considero muito difícil, teve tons super altos e as letras falam de como você pode ficar antes da vida e dizer “aqui estou, sou eu, tenho um lugar e preciso de respeito”. Adoro isso porque muitas vezes nos sentimos vulneráveis, excluídos ou não pertencemos a um espaço e nos esforçamos para ser aceitos quando precisamos apenas ser quem somos e, portanto, devemos aceitar a nós mesmos.

Você falou sobre o sonho de musicalizar um filme desde que você era uma menina, com qual filme que você sonhou?

Com o Titanic. Naquela época, eu não pensei em ser uma atriz e muito menos cantar, eu cantei em pijama com meus amigos, eu me diverti e é isso; o mesmo com Armageddon ou quando Ricky Martin fez o tema de Hercules. São canções que eu não esqueço, ficaram em minha mente; Passou o tempo e a vida e felizmente essa é minha profissão.

Para ver todas as fotos acesse nossa galeria > www.maiperroni.org/galeria<

Créditos: Site MaiPerroni (Tradução) & Estilo DF (Entrevista)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *