Maite Perroni e Andrés Tovar apresentam sua bebê Lía

É domingo, 11:30 da manhã, na porta do Wynwood House aparece a tropa Tovar-Perroni. Andrés, Maite, a pequena Lía e Canela (uma Labra-rabisco de sete meses). Sorrindo, eles estão prontos para iniciar a sessão. Enquanto a equipe faz a produção de Maite, seu marido nos conta que o cachorrinho foi um presente para acompanhar a bebê e que têm outros dois peludinhos em casa. Assim como os 12 milhões de seguidores do Instagram de Maite, estamos ansiosos para conhecer
para sua filha. A atriz nos deixa ver Lía, que carrega nos braços, embora tenha 50 dias, a bebê aparece acordada, faz uns gestos fofos que provocam aquela paixão que só recém nascido pode despertar. Reuni-los não foi uma tarefa fácil, devido a chegada recente do bebê, os ensaios de Maite para a tão esperada turnê do RBD e os projetos de Andrés Tovar (produtor independente de programas como Acércate a Rocío). Com exclusividade, apresentamos Lía Tovar Perroni, que nasceu nos Estados Unidos, pesando 3 quilos com 290 gramas e medindo 48 centímetros.

Como você se sente com a chegada de Lía?

Maite Perroni: Nos sentimos muito sortudos, é um presente do universo, de Deus, é a maior missão que temos na nossa vida. Ainda não terminamos de dimensionar o amor tão grande que dá para sentir, é mágico.

Andrés Tovar: É felicidade total e máxima. Por mais que todo mundo te fala que sua vida vai mudar e que tudo vai ser diferente, quando você tiver o bebê nos braços você percebe que seu coração se expande e você tem uma capacidade dom incondicional de amor. Isso mudou nossas vidas. Estamos muito felizes.

Como foi o parto?

MP: Esse dia foi cheio de emoções porque já estávamos esperando o grande momento, não sabíamos quando isso iria acontecer e originalmente íamos viver um parto natural e esperamos que as coisas acontecessem. Chegamos à semana 39, no quarto dia e Lía não terminou de se encaixar, então começaram contrações, mas o tempo passou e nada. De repente, a circunstâncias e o momento que levou o médico a decisão de que era melhor a cesariana e que não havia risco. A ação começou.

AT: Disseram-me para esperar do lado de fora do quarto, eles iam me ligar. Estava carregando uma buzina e uma lista de reprodução para o momento. Eu vejo a Maite, dou-lhe um beijo, toco a música e o médico vem me dizer se eu queria conhecer minha filha. Eu pensei “Como?, se mal começou a primeira canção?” [risos]. Foi muito rápido, mas vê-la e cortar o cordão umbilical foi incrível.

MP: Choramos, nos abraçamos e ela nasceu perfeita, graças a Deus. Quando você ouve que está tudo bem e saudável, você entende que é o mais importante.

Como vocês escolheram o nome?

MP: A grande surpresa foi que vinha uma menina e iniciou a busca. Quando estávamos procurando opções lemos este nome e gostamos, quando lemos o seu significado
nós pensamos que era o nome ideal.

Conte-nos sobre a primeira noite com o bebê em casa.

AT: Primeiro que você cai na real. Por que no hospital você tem apoio das enfermeiras, mas quando você sai, foi chegar em casa e estar 100% com ela a noite toda e depois de algum tempo fomos nos acomodar para poder descansar um ou outro, mas você ainda não acredita. Eu disse a para Maite fechar os olhos e abrir, que tínhamos nossa filha em nossos braços.

MP: Essa primeira noite foi muito linda, Lía estava super pequeninha então dormia e dormia.

Como ela se comporta?

MP: A verdade é que ela é uma bebê super tranquila.

Como está sendo as noites mal dormidas?

MP: Desde o primeiro dia em que Lía chegou em casa, todo o processo pós-parto foi muito tranquilo. Foi definitivamente um desafio físico, pelo desgaste que ocorre nessas noites e horas de fazer esforço físco total, mas é um amor tão grande que você se torna forte. Cada segundo é tão precioso e é um tesouro incrível que você extrai energia de todos os lugares. Eu acredito que tem sido mais forte o amor do que o cansaço ou a insônia.

Como está a dinâmica familiar desde a sua chegada?

MP: Sim, mudou muito, mas estamos nos adaptando aquela fase novamente e reestruturar as coisas porque tudo gira em torno dela e de seu bem-estar. É bom ver como de novo as peças deste espaço familiar estão sendo acomodadas.

AT: E nossos três cachorros também estão cuidando, eles estão em seu processo de proteção, finalmente nós somos muito caseiros, gostamos de compartilhar com amigos e familiares,
mas a realidade é que sempre gostamos de estar juntos, sozinhos, e agora que Lía está aqui, temos mais vontade temos de estar juntos os três. Nas noites de sexta ou sábado, talvez antes
costumávamos sair, agora adoramos ficar com ela.

Quem está encarregado de dar banho nela?

AT: Eu, e é definitivamente a parte que eu mais gosto ela. Desde o primeiro dia que pude levá-la para tomar banho comigo tem sido incrível. Ela não chora, é super calma, adora a água, outro dia ela adormeceu no chuveiro e eu amo poder ficar pele a pele com ela e eu não perco isso por nada, não importa o quanto eu tenha de reuniões ou coisas para fazer, eu tento fazer sim ou sim. Quando terminamos, eu passo para a mãe dela para que me ajude a vesti-la.

Como tem sido o processo de lactação, Maite?

Foi um processo curto porque o primeiro mês foi dado tempo e nós nos conectamos daquele lugar, mas depois eu tive que ser mais prática para o que está por vir. Em um mês vamos começar uma turnê e estaremos a quase quatro meses de distância de casa e ia ser muito difícil congelar o leite, para poder guardar e tê-lo da melhor maneira. Com o apoio de pediatras e do ginecologista, foi tomada a decisão de que era melhor fazer uma substituição para que Lía pudesse se adaptar à fórmula de forma suave e não tão abrupta para podermos ir juntas a este desafio profissional que me enche de entusiasmo. É muito complicado que as coisas possam fluir nas estradas, aviões e transferências porque não posso fazer um banco de leite. Então tomei a decisão de que a praticidade era a minha melhor ferramenta nesta fase da minha vida e também se tornou muito fácil. Já estamos no caminho certo e acho que vai dar certo, bem, esse é o plano.

Com quem Lía se parece?

MP: Tem vezes que eu vejo ela e acho que ela é idêntica ao Andrés e às vezes parece comigo. Lembro de uma foto que minha sogra me mostrou dele quando criança e eu os vejo super semelhante. Mas a verdade é que não importa, o importante é amar-la, cuidar-la e e protege-la.

AT: Vejo a boca, o nariz, os olhos dela e acho que é a Maite, é que é divino. Embora ela traga os seus, é linda. O que posso dizer?

Vocês se consideram pais descontraídos?

AT: Novos pais [risos]. Acho que somos práticos, existem muitas opiniões de familiares e amigos de “faça isso ou aquilo” e você também está descobrindo o que é melhor para o seu bebê. A verdade é que nos baseamos em ser cuidadosos e estar ciente do que é melhor para ela, mas estamos muito descontraídos e nosso jeito de ser é assim, então buscamos praticidade e diversão à três.

MP: Também no processo você está descobrindo como coisas funcionam, porque tudo é novo para nós. Então, cada situação representa novas emoções e situações que são desafiadoras, mas acho que nos inclinamos mais para o prático, para poder aproveitar o momento e para que as coisas fluam e também aos poucos vamos nos descobrindo como pai e mãe. Acabamos de começar isso, já se passaram seis semanas desde que Lía chegou a nossa vida e estamos no processo de descobrir. Mas nós vamos no lado mais prático.

Gostariam de viver esta experiência novamente ou com Lía
fecharam a fábrica?

AT: Gostaríamos de ter outro filho para acompanhá-la, mas também não estamos focados nessa essa ideia. Se for Lía nada mais, será incrível, e se vier um irmãozinho ou irmãzinha, estaremos felizes de ter outro filho para acompanhá-la.

Maite, como você tem conciliado os ensaios da turnê RBD com a maternidade?

Foi um processo interessante porque tivemos que repensar muitas coisas e reestruturar as dinâmicas, mas estou muito animada, muito feliz pelo que estamos vivendo. Rebelde é um projeto que faz parte da nossa história e revivê-la juntos e preparar uma turnê, estar em ensaios, gravando, trabalhando de novo, nos desafia e estamos criando novas experiências. É uma grande responsabilidade, isso também implicou uma pressão interna de “Como eu vou fazer isso?”, o que eu vou fazer?”, meu bebê é tão pequenininho, como vou me organizar?”, “tenho que fazer
exercício, mas acabou de nascer…”. Mas isso não importa, apenas nasceu minha bebê e não importa se eu ganhei 10 ou 12 quilos, é meu processo de mãe e eu tenho que vivê-lo e fluir com ele. Como mulher tem sido um tanto desafiador, quando vou aos ensaios sinto saudades, mas faz parte do desafio e de serem mães trabalhadoras.

AT: É admirável o que Maite está fazendo para chegar aos ensaios nas condições que você deseja chegar, desde das sete horas da manhã ela treina, está com nossa filha, nos ensaios… Ela está trabalhando muito duro em todos os aspectos, fisicamente, mentalmente, emocionalmente e isso é admirável. Eu não tenho mais nada que apoiá-la incondicionalmente.

Conte-nos sobre os ensaios:

MP: Acho que a gente está se envolvido em tudo desde um lugar diferente e somos nós que tomamos as decisões. Isso tem sido muito interessante, porque nos permite estar em outro lugar e curtir o que estamos fazendo. Acreditar que é o show que sempre quisemos fazer.

SCANS DA REVISTA

Créditos: Site MaiPerroni (Tradução) e Quién México (Fotos e entrevista)

 

89