Maite Perroni e Marimar Vega: uma conversa entre amigas sobre sexualidade, tabus e relacionamentos

Destaques Entrevistas Notícias Séries

Fazer esse ensaio com Maite Perroni e Marimar Vega foi muito especial. A energia que existia entre elas, não só por compartilharem um set de El Juego de Las Llaves, mas por serem amigos desde a escola, muito antes de ambas decidirem se dedicar à atuação. O destino, a vida, o universo as levou a se encontrarem novamente para este projeto e estar juntas foi ver duas mulheres que se amam e se admiram, que não paravam de conversar entre cada foto e que até foram comer juntas no restaurante do hotel muito antes a sessão começar.

Daí veio a dinâmica com que para esta capa se entrevistaram sobre os assuntos que aborda esta série da Amazon Prime, que agora estreia a sua segunda temporada no dia 16 de setembro. Sexualidade, tabus, relações de casal, a revolução sexual feminina, swingers e muito mais são as questões que abordam em suas conversas com total sinceridade, questões que não importa o quão “polêmicas” possam ser consideradas, como dizem em sua conversa, são presente. mais do que pensamos.

Assim, embora a série se chame El Juego de Las Llaves (O Jogo das Chaves), acaba por ser um jogo, mas de autodescoberta, de quem somos, de baixar um pouco a guarda com crenças tradicionais ou pré-estabelecidas e da necessidade de uma mudança, que é parte do que somos. que nos torna humanos.

Marimar: Por que você concordou em fazer uma série com temas tão polêmicos?

Maite: Porque eu acredito que a sexualidade sempre foi um tabu em nossa vida, muitos julgamentos surgem dela, sobre como a sexualidade deve ser para mulheres ou homens. Existem papéis que se estabeleceram de forma socialmente aprendida, nos quais as mulheres muitas vezes são excluídas dessa capacidade de satisfação, de prazer, de nos descobrirmos como casal ou com nós mesmas. É importante colocar na mesa essas questões que também são reais. Todos nós temos histórias, todos temos relacionamentos que nos permitem nos descobrirmos e começarmos a nos conhecer melhor. O sexo deve deixar de ser visto com tantos tabus e tantos padrões duplos.

Marimar: E principalmente no caso da Adriana, sua personagem, que é a mãe. Socialmente, temos essa coisa de que, se você é mãe, pode ter menos desejos sexuais. Você é uma mãe, você tem que ser uma mulher casta e uma boa mãe. Não é porque você é mãe ou esposa que sua vida sexualidade acaba.

Maite: Sim, a personagem de Adriana permite-nos identificarmo-nos em diferentes histórias da vida real onde temos uma relação, um casal, onde construímos uma história, formamos uma equipa, temos filhos que adoramos, construímos os sonhos que tivemos . E 20 anos se passam e de repente percebemos que nos esquecemos de ser um casal, ou de nós mesmos, e é ousadia dizer: “e agora o que vamos fazer?” Comece a descobrir esse processo de poder falar, a colocar essa questão na mesa e agora viver a história.

Marimar: Adoro que falem sobre questões da nossa geração. Estamos acostumados a ver muitas crianças ou adultos, mas somos uma lacuna, estamos ali como em um limbo muito raro. Quase todas as nossas mães são divorciadas e queremos ser trabalhadoras e independentes para que isso não aconteça conosco. Mas também queremos ser um casal, então acho que estamos todos nos estabelecendo lá. No Jogo das Chaves tentamos representar diferentes tipos de mulheres e a Gaby nesse sentido, a minha personagem, é um pouco mais livre porque é uma artista, se dedica à arte. Então ela é menos crítica sobre certas coisas.

Maite: Sua personagem na primeira temporada vivenciou algo muito decisivo e acho que Gaby também se torna um exemplo nesse sentido de como ela decide entrar em algo tão impressionante. No final, ainda era doloroso, mas ela tinha a capacidade de ver além.

Marimar: Sim, eu sinto que colocamos Gaby em um estereótipo porque ela é ficção, ela é a artista hippie que faz ioga, que já viajou o mundo e é muito espiritual.

Mas como ela reage a Valentin, você tem que ter temperança e empatia totais para realmente entendê-lo e não levar para o lado pessoal. O que há de mais bonito em Gaby e Valentín é que eles se adoram, independentemente de quem sejam como casal, e são grandes amigos, não importa o que aconteça. É difícil, mas isso é o que há de mais bonito no casal.

Maite: Para mim, o mais bonito de Gaby e Valentín é que eles são um exemplo de como é valioso poder falar a verdade, porque muitas vezes o que nos acontece é que somos consequência de aprendizados do que vivemos, de nossas circunstâncias, a educação que recebemos, o que observamos, o que de repente é tirado do inconsciente como a coisa certa ou o que deve ser feito.

Eles são um exemplo muito bom de como, a partir do amor, você também pode compreender e mover-se de um lugar para outro. Como é importante falar e colocar as coisas na mesa porque nem sempre você vai sentir o mesmo e estará no mesmo processo pessoal, há uma evolução. Como casal, às vezes vocês se encontram e às vezes um está em um processo e o outro em outro. Às vezes, em uma situação como a de Gaby e Valentín, onde uma pessoa pode perceber que sua vida realmente está indo para o outro lado ou que sua preferência é diferente, você tem que ser honesto e dizer isso.

Marimar: O pobre coitado que leva uma vida que não quer por medo do tabu de como todos somos reprimidos para vivenciar nossa sexualidade e que Siena representa apenas o contrário.

Maite: Eu adoro porque é aquela que começa a semear a conversa do “vamos ver o que aconteceria se de repente todos começássemos a nos questionar”.

Marimar: No nosso próprio grupo de amigos temos várias gerações, o que é muito interessante de se ver e as mais novas não têm um medo para falar da sua sexualidade ou se gostam ou não de algo, se não querem ser mães ou se eles não sabem, eles querem se casar. Há uma liberdade para falar sobre essas coisas que acho incrível. Eu acho que essa série é exatamente porque funciona, porque eles falam sobre coisas que as pessoas têm medo.

Maite: Essa história alguma vez o fez questionar quem você é e se você realmente foi o que queria ser?

Marimar: Como atriz, todos os projetos por algum motivo sempre tem algo semelhante que acontece na minha vida. Acho que há vários anos tento encontrar minha autenticidade e hoje, mais do que nunca, tenho muita clareza sobre o que penso e o que dizem que vale para mim. Participar de uma série que se rebela sobre a situação parece ótimo para mim. Os seres humanos querem ser livres, mas não sabemos como fazer isso.

É muito complicado quando me perguntam se eu seria um swinger. Não, hoje eu digo não. Acredito que não existe fidelidade para a vida, mas acredito que não existe fidelidade com mentira, não gosto disso. É sobre a verdade, seja o que for que você encontre com seu parceiro. Se Óscar e Adriana tivessem conversado entre eles, o mesmo e eles teriam conseguido salvar seu casamento.

Maite: Acho que o Óscar e a Adriana na época acreditavam que dar o passo implicava ser honesto. Adriana na época achava que dizer e propor era ser honesta com o que estava acontecendo, mas talvez ela fosse honesta de um lugar muito errado. Ela foi honesta de um lugar onde ela estava esperando e querendo conhecer uma pessoa específica.

Marimar: Claro, mas se eu tivesse falado há quatro anos, o mesmo à eles, teriam acertado a relação antes, mas já estava muito deteriorado, e quem quer que fosse ia mexer no tatame.

Maite: E é isso que pesa um pouco, para mim Maite, questionar as coisas com base em todas esses temas. Hoje está muito claro para mim que gosto de compartilhar meu parceiro de um lugar mais íntimo e que essa energia não é tocada e nem compartilhada. É isso que me torna hoje capaz de compartilhar essa dedicação com meu parceiro. Mas, ao mesmo tempo, você começa a se questionar e a pensar muitas coisas … em que época crescemos acreditando que só essa pessoa é quem tem a obrigação de nos fazer felizes em nossas vidas? Nem mesmo nós podemos prometer isso a alguém, porque temos muitas coisas pessoais para descobrir e compartilhar um com o outro.

Em que momento você só tem que me dar tudo e você já é o único responsável? Primeiro você tem que dar a si mesmo. É perguntar quem eu sou, do que gosto, o que quero e o que não quero. Entenda que existem etapas, existem evoluções … que no final para mim a conclusão de tudo isso é exatamente o que temos feito, sendo honestos, com você, e tendo tudo claro para que haja uma conversa verdadeira. Que as coisas sejam como devem ser, mas com a verdade, não com mentiras, porque é daí que vem todo o relaxamento, traição e engano.

Marimar: Eu acho que você tem que encontrar um parceiro com quem você possa realmente estar e que se um dia você tiver dúvidas sobre algo, se um dia você estiver pensando bobagem, você pode falar sobre isso. Pensar que um relacionamento vai durar a vida inteira, assim como começou, é impossível. Todos nós estamos mudando.

Maite: E o que você acha da revolução sexual feminina?

Marimar: Queremos nos livrar de quê? Muito do machismo que vivemos é feito por nós. Eu fico rebelde toda vez que ouço uma história e há um comentário do tipo: “bem, ela é …” Ela o quê? Por que ela usava saia? E acho que estamos começando a ser, como mulheres, mais empáticas com a situação porque todas nós já participamos dela, é uma coisa social. Muitas vezes eu falava, muitas vezes falava mal sem saber e dizia: “bom, mas é isso …” e não. Essa é uma grande mudança, que é o que podemos fazer … impor o que os homens podem fazer é tão complicado. Se começarmos a gerar mais empatia, aí está a revolução.

Maite: Acho que não é uma guerra, a famosa palavra irmandade está realmente aí. Eu sinto que há um conceito mal compreendido de apoiar um ao outro, porque também como você diz há um julgamento constante e apontando sem realmente saber onde, ou como, ou porque há um ataque entre nós.

Então eu visto a camisa “Eu sou uma feminista”, mas quando chega a hora, como isso funciona? Se fizermos o oposto entre nós. É importante que haja conhecimento e compreensão reais e empáticas. Este é um tema que nos permite manifestar a partir de um ponto de vista. Os homens são aplaudidos e recompensados ​​por sua sexualidade e as mulheres são julgadas por vivê-la.

Marimar: Todos nós já ouvimos falar da crise dos quarenta em homens, eles compram um carro e pegam uma garota, nós sabemos disso e comemoramos e é normal. E qual é a crise da mulher dos anos quarenta? Porque ela não pode sentir de repente “e se eu casaei com a pessoa certa? E se eu estraguei tudo e não tive filhos? É o mesmo. É uma crise de decisão de voltar atrás e perguntar a si mesmo: tomei as decisões certas?

Maite: Afinal, homem e mulher não deixam de ser seres humanos e essa divisão de gênero tem uma natureza óbvia, mas na identidade, nos sentimentos e nas emoções, mesmo que sejam processos e estágios distintos, hormonais, emocionais, sociais ou o que seja que vivemos, somos seres humanos em constante processo de descoberta pessoal.

Então é aí que é importante que nos vejamos como iguais e como uma equipe, não como adversários nem para a guerra, porque também há homens que se tornam peças fundamentais no seu cotidiano que dão o exemplo, em saber partilhar como um homem, como parceiro, como irmão, etc. Você também tem que abraçar essa restrição, esse amor e esse acompanhamento, assim como as mulheres fazem também.

Marimar: E é ótimo que esses temas sejam abertos na TV, acho que é por isso que a série funciona.

Maite: Algo que adorei nisso é que surgiram conversas muito interessantes quando não havia mais julgamento, aconteceu conosco que então havia essa cumplicidade. Aconteceu muito comigo que quando vimos que fazíamos parte dessa história, que queríamos contar essa história, tinha gente que vinha dizendo: “Isso já aconteceu comigo” E você fala: “nossa”. É impressionante, por isso considero valioso colocar na mesa temas que não sejam apenas entretenimento. Foi muito interessante ver o resultado e por isso estamos muito animados porque a segunda temporada está chegando.

Vocês pode ver também pelo vídeo abaixo:

Créditos: Site MaiPerroni & www.chicmagazine.com.mx (Entrevista) Milenio (Vídeo)

Camila Cabral

Uma menina/mulher um pouco com grandes sonhos, com amor imenso pela Maite. Uma de minhas paixões dedicar um pouco do meu tempo ao MaiPerroni.

http://www.maiperroni.org

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *