Maite Perroni fala sobre sexo e Desejos Sombrios com Quién México

Entrevistas Notícias Séries
Vamos esquecer Lupita de Rebelde, o novo personagem de Maite nos fará enterrar aquela doce menina inocente das novelas da Televisa, para dar lugar a uma atriz completa que pode interpretar todos os tipos de personagens.

A atriz e cantora veio para a produção de Argos após o elenco e nela compartilha créditos – e cenas de cama – com Alex Speitzer, cujo personagem é 15 anos mais jovem e com quem ela viverá encontros apaixonados.
Como é filmar essas cenas?

Existem várias pessoas no set durante as filmagens, há um diretor e muitos trabalhos de edição e pós-produção que dão um certo feeling, pausa e tom. São cenas complexas e não são fáceis.

O personagem de Alex Speitzer é mais jovem que o seu, isso envolveu algum tipo de problema?

Desde o início, é um trabalho profissional, porque finalmente estou contando uma história que suscita uma certa situação. Desde o momento em que vejo que meu personagem tem essa idade e que a história dela a leva a essas situações, vi que não era algo que tivesse que ser questionado. O importante é fazer parceria com meus colegas, com produção e com direção. Eu não gostaria que o peso da série fosse exclusivamente sexual, porque, embora seja algo que aparece em grande parte da trama, o que importa é normalizar a sexualidade. Como espectador, as cenas de sexo não devem ser julgadas, mas apreciadas como parte da trama, porque o sexo existe e faz parte de todos.

Existe uma tendência a ter “relacionamentos abertos”, o que você acha disso?

Eu não sou tão compartilhável assim (risos). É muito divertido interpretar isso com um personagem que tem esse tipo de história, mas não é para mim porque ainda não consigo me sentir tão desapegada. Trazer um personagem à vida nesse contexto é divertido, mas na vida real não seria tão capaz e livre.
Você já falou sobre isso com seu namorado?

Nós conversamos sobre isso, mas chegamos à conclusão de que não estamos com esse humor. É importante ter uma comunicação honesta como casal, porque cada um pode ter processos diferentes, mas antes de sermos um casal, somos indivíduos. Eu sempre tive uma boa educação sexual, em casa, muito clara e honesta. Não há julgamentos ou rótulos se for com respeito e amor.

Sua filha da série é gay, como você lidaria com esse problema se fosse mãe?

Com amor. No final, amor é amor e deve haver empatia, respeito e compreensão, porque somos seres humanos e temos o direito de nos manifestar honestamente em nosso modo de vida. Eu acho que os pais e qualquer pessoa próxima a eles devem ter empatia e acompanhar com carinho as pessoas que são diferentes, porque é simplesmente a verdade delas, elas são assim e nada acontece. Devemos deixar de lado julgamentos e moralismos.

Seu personagem também costuma usar o discurso feminista. O que você acha daqueles que desacreditam desse tipo de mensagem?

A palavra empoderamento já é muito comum. Mas eu acho que é importante tornar as coisas visíveis, porque dessa maneira o assunto é discutido mais e a conscientização é aumentada. Denunciar um perseguidor não é mais algo que nos coloca em risco como alguns anos atrás, graças a movimentos como o MeToo.

Você já enfrentou algo assim durante sua carreira?

Não. Eu realmente quero dizer isso. É preciso ter muito respeito por cada história contada, porque são situações muito delicadas e tristes. Também é importante não acreditar que esse recurso seja a única maneira de crescer em uma carreira. Nem todas as histórias são iguais, mas você não precisa julgar, mas a ouça. Eles me perguntaram sobre quem era meu predador e eu disse que ninguém, e me perguntaram como cheguei aqui sem ter passado por uma situação dessas. Posso expressar meu apoio a uma casa assim porque entendo, mas não é por isso que vou dizer algo que não aconteceu comigo.

Você tem planos de casamento e filhos como os seus colegas de RBD?

Estou muito feliz por eles, é algo muito legal. Tenho meu próprio tempo e, quando chegar a hora, serei mais feliz em falar sobre isso e compartilhá-lo, mas, quando chegar, será o momento certo. Por enquanto, nem casamento nem filhos, mas não é um problema, porque as coisas serão quando deverá ser. Acho que é preciso aproveitar os processos e as etapas, mas nesse meio tempo estou feliz assim porque ainda não consigo imaginar com um bebê, mas estou muito feliz por quem faz. Eu sou a tia mais feliz. Por enquanto eu sou “tia RBD”.

Créditos: Site MaiPerroni & Quién (Entrevista) 
Camila Cabral

Uma menina/mulher um pouco com grandes sonhos, com amor imenso pela Maite. Uma de minhas paixões dedicar um pouco do meu tempo ao MaiPerroni.

http://www.maiperroni.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *