Maite Perroni: o início, sua passagem pelo RBD e seus projetos futuros (GQ México)

Destaques Notícias

Existem pessoas que acreditam que tudo o que acontece na vida é puro acaso; mas também existem aqueles que garantem que o destino existe. Maite Perroni faz parte do segundo grupo. No entanto, não podemos negar que embora “tudo já esteja escrito”, a atriz também trabalhou muito e derrubou vários rótulos ao redor dela para conseguir o lugar que agora tem e merece. A boa estrela é um bônus.

“Vou ser honesta com você. Não pensei em me dedicar à atuação, queria estudar marketing ou publicidade”, diz Maite Perroni do outro lado da tela. A atriz está prestes a iniciar um intenso dia de entrevistas e atividades de divulgação da segunda temporada de El Juego de Las Llaves, porém, ela abre um pequeno espaço em sua agenda de madrugada para poder conversar com a gente, e fazê-lo com todo o encanto e a simpatia que o caracteriza. “Temos pouco tempo, mas em outro dia vamos tomar uma tequila e conversar melhor“, ela me diz com um sorriso no rosto.

Desta vez não há nenhuma dose de tequila na nossa frente, mas sim uma xícara de café que será perfeita para lembrar aqueles anos em que Maite era estudante e a ideia de atuar não lhe passava pela cabeça, muito menos a de música. “Gosto de design e arquitetura e queria estudar isso. Mas a vida te dá oportunidades e tem gente que se torna cúmplice do seu destino e muda tudo”, afirma. A primeira pessoa determinante em seu futuro profissional foi o pai de uma criança que estudou na mesma escola que ela. “Na verdade, o menino estava no jardim de infância, mas o pai dele me via nas peças que apresentávamos, nos concursos de dança e em outras atividades. Um dia, ele veio até mim e disse: você não gostaria de ser atriz?”, Lembra. Era Eugenio Cobo, então diretor do CEA da Televisa. Mas Perroni foi claro e a resposta foi contundente: “Eu disse não a ele porque não sabia chorar ou beijar estranhos … E olha agora, estou em El Juego de Las Llaves (risos)” .

Quatro anos depois, entraram em cena duas pessoas que também se tornaram “cúmplices de seu destino”. “Quando eu tinha 18 anos, uma amiga me pediu para ir com ela fazer um casting para Zapping Zone da Disney. Depois de muita insistência,  finalmente chegamos e eles me disseram para fazer o teste também. Eu disse que não, mas eles acabaram me convencendo. Tive que dançar, cantar e contar algumas histórias.”

“Lembro-me perfeitamente que houve vários meninos e meninas que hoje são grandes atores e atrizes. Ao final do dia, das 500 pessoas que compareceram, eu fiquei entre as 10 últimas. Naquele momento pensei: ‘o que está acontecendo aqui?’”. Foi então que apareceu Verónica Velasco, que, como profeta, previu a boa estrela de Perroni e o que estava por vir: “curiosamente, ela é a produtora de Oscuro Deseo, mas naquele dia ela me disse que se eu quisesse me dedicar para isso, deveria me preparar e fazer as aulas, porque eu tinha aptidões e que se o fizesse seria muito bom para mim ”.

E assim foi. Maite saiu daquele casting com aquela mensagem, procurou Eugenio Cobo, pediu uma prova para entrar no CEA e começou a estudar interpretação. E embora talvez o destino já estivesse escrito, ela ainda tinha muitos testes pela frente.

Demorou dois anos para Maite Perroni receber duas oportunidades que mudariam completamente sua vida. O primeiro deles, Rebelde, uma novela que significou um divisor de águas não só na televisão mexicana e internacional, mas também na carreira de muitos atores e atrizes em início de carreira profissional. “Quando fiquei no projeto achei que era uma grande oportunidade. Na versão argentina, meu personagem durou seis meses, então tive a convicção de que seria algo incrível estar na novela daquela vez”.

Mas o destino tinha outros planos: um dia, um casting interno foi anunciado para encontrar a terceira mulher que se juntaria à banda e a sorte jogou a favor de Maite. “Nunca me passou pela cabeça dedicar-me à música. Além do mais, eu nem cantei no karaokê com meus amigos. Foi algo que me apavorou. Eu falei: ‘merda mãe, o que eu vou fazer?”, Confessa rindo. “Felizmente, tive quatro companheiros que cantaram muito bem. Fui com o Eugenio Cobo novamente e ele me ajudou a conseguir aulas de vocalização para não sair do tom. Depois me tornei um especialista em playback e aos poucos fui aprendendo. Foi um processo de cinco anos e depois desse tempo, relaxei.”

O RBD é um daqueles grupos que, como um cometa, aparecem no cenário musical uma vez a cada década: eles venderam milhões de discos, lotaram cada casa que tocaram e sua base de fãs inclui fãs de todo o mundo, além de suas músicas. marcaram milhares de pessoas e continuam fazendo parte da trilha sonora da vida de muitos de nós. “A música foi um grande desafio para mim, mas também me deu a oportunidade de vivenciar coisas que nunca sonhei graças à banda. RBD é e sempre será um amor para mim. Depois veio o meu projeto solo, com o qual consegui discos de ouro e platina. Aquilo foi um prazer para a alma”.

E apesar de todos os números conquistados, Maite decidiu dar uma pausa no frenesi do fenômeno RBD e da música, para visualizar seu futuro: “Eu me imaginei cantando aos 55 anos e pensei que não era o caminho a seguir. Eu queria mais uma carreira de atriz. Foi então que decidi deixar a indústria”.

Assim como na vida há pessoas que acreditam no destino e outras não; Também encontramos aqueles que, após o sucesso, decidem sentar-se e viver dessas glórias. Maite faz parte do outro grupo: aquela que luta e trabalha incansavelmente para realizar seus sonhos. E é que com tudo e com as conquistas conquistadas com o RBD, ela ainda tinha aquela saudade pendente que a levou a desistir de seus sonhos juvenis de marketing e publicidade: atuação.

Alguém poderia pensar que com o sucesso do grupo as portas se abririam para ela; E, embora fosse esse o caso, havia alguns aspectos contra os quais ele precisava lutar. “Nesta indústria, eles classificam você. É uma batalha interna, pois acredito que todos estamos moldando nossas carreiras de acordo com as oportunidades, porque quando elas vierem temos que aproveitá-las. O RBD veio até mim e me encheu de bênçãos, é algo que você abraça e valoriza, mas que te afasta do que você projetou para o futuro. Você está em um projeto oposto porque essa foi a primeira oportunidade, mas aí eles não te tiram de lá. Quando eu levantei minha mão para filmes ou outros papéis, aquela imagem do grupo apareceu automaticamente. Então veio o fato de ser rotulada como atriz de novela. Você passa por estágios, o interessante é quando você se agarra para conseguir outras coisas. Só você sabe quantas vezes eles dizem sim e quantas vezes não, mas é muito bom ver como você contorna essas dificuldades”.

Mas também teve que enfrentar muitos comentários, preconceitos e críticas que foram feitos á ela pelo simples fato de ser mulher. “Por exemplo, muitos anos atrás, os produtores diziam: ‘Uau, é do RBD. Ela se casa e deixa a indústria. Eles também alegaram que era o mais cinza de todos. Tornou-se um processo complexo. Naquela época eu ia me casar, mas no final decidi não casar e quando devolvi o anel me fizeram parecer a pior mulher do mundo. As críticas são constantes, tudo fica exposto”, compartilha ao nos contar o que foi o aprendizado de tudo isso. “Minha conclusão foi viver minha vida. Você tem que ser você sem se trair. Acho que um dos meus pontos fortes é ser honesto comigo mesmo e isso me permite viver as coisas e apreciá-las. É se adaptar e se aceitar, ser grato pelas oportunidades. E se você quiser mudar, tem que ir em frente, usar seus recursos e buscar suas opções. Mas é vital que você não se traia, porque isso faz a diferença. Além disso, ao longo dos anos, aprendi que você não deve deixar o que o outro pensa determinar você. Essa congruência vai te ajudar e vai ser algo incrível no final”.

Mas Perroni não se deixa levar por comentários ou críticas, e aos poucos foi se abrindo na indústria, além de projetos para a telinha. Porém, nessa equação, a atriz destaca outro nome. “Eu estava mais nas novelas até o Roberto Fiesco aparecer, ele foi o primeiro a dizer: ‘Por que o Maite não faz série?’ De alguma forma, ele foi meu padrinho para iniciar uma nova etapa. Desisti de muito do que fazia para arriscar e hoje estou feliz porque percebo que tudo tem sua razão”.

Perroni se refere à El Juego de Las Llaves, a bem-sucedida série Amazon Prime Vídeo que estreou sua segunda temporada em setembro passado e foi muito bem recebida pelo público. Um dos motivos desta popularidade foi o tema abordado pelo projeto: casais de swingers; Embora Maite garanta que a questão sexual fica em segundo plano, já que o mais importante é contar as histórias de cada um dos personagens. “Em um nível pessoal, posso dizer que meus pais sempre foram honestos conosco sobre a questão da sexualidade. Eles não andavam por aí com histórias de cegonha ou algo assim. Quando eu tinha 8 anos, eles me contaram sobre a vida com um documentário da National Geographic. Eles me incentivaram a ser uma mulher sem culpa e me deram ferramentas para viver minha vida sexual com responsabilidade e amor”, revela.

Mas também confessa que a nível profissional, “graças à série pude alargar temas e falar sobre o íntimo, esse processo de normalização do corpo e do nu que a atriz veio e foi um desafio, porque você se expõe e se torna vulnerável. O desafio, aliás, é mostrar que o nu tem um significado para o personagem, pois aí os rótulos voltam a aparecer. A sexualidade é normal e devemos educar, compartilhar, normalizar. Os homens são aplaudidos por seus triunfos sexuais e as mulheres têm que ser castas e puras na cultura latina, mas não é certo gerar essa percepção. Somos seres humanos e temos que compartilhar a partir desse lugar”.

Além de El Juego de Las Llaves, Maite Perroni vai estrear em 2022 a tão esperada continuação de Oscuro Deseo, outra série que a desafiou como atriz e a nível pessoal. “Realizei um filme na Espanha que me desafiou e me permitiu sair da minha zona de conforto. Chama-se ‘Sin Ti No Puedo’  e também será lançado no ano que vem ”, afirma. Mas e o RBD? Eles terão uma reunião definitiva? “O encontro virtual foi um belo presente para os fãs que tiveram um ano difícil. Não sei o que vai acontecer mais adiante, pois cada um está em um processo”, destaca.

Antes de nos despedirmos, uma pergunta final: o que você diria ao seu eu mais jovem? “Não se antecipem ao futuro”, diz Maite com aquele sorriso contagiante que não sumiu em nenhum momento da nossa conversa, apesar de um complicado dia de trabalho a aguardar. “Antes eu pensava no futuro, então diria à ela para aproveitar o presente ao máximo. Eu acredito no destino e a vida me ensinou isso, mas você tem que viver hoje, em congruência e desfrutar. Sinto-me satisfeita, mas tenho desejo e motivação, e um limite ainda maior. Sinto-me plena e grata”.

Créditos: Site MaiPerroni (Tradução) & GQ México (Entrevista)

Camila Cabral

Uma menina/mulher um pouco com grandes sonhos, com amor imenso pela Maite. Uma de minhas paixões dedicar um pouco do meu tempo ao MaiPerroni.

http://www.maiperroni.org

1 thought on “Maite Perroni: o início, sua passagem pelo RBD e seus projetos futuros (GQ México)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *