RBD fala com exclusividade sobre show virtual ‘Ser O Parecer’

Entrevistas Exclusividades Notícias RBD

Depois que o RBD se tornou um dos grupos musicais mais ouvidos em plataformas digitais com o lançamento de seu catálogo de canções em setembro passado, Christopher Uckerman acendeu a luz e decidiu entrar em contato com seus ex-companheiros de banda, Maite Perroni, Anahí, Christian Chávez, Alfonso Herrera e Dulce María, para fazer uma proposta ousada.

“Ele nos ligou nesses meses e nos perguntou se queríamos fazer uma transmissão ao vivo com nossos fãs e dissemos ‘vamos?’”, Lembra Perroni. “Foi quando dissemos vamos fazer algo, em honra e amor [aos nossos fãs].”

Nasceu assim a ideia de Ser O Parecer, o concerto virtual no qual os membros da formação de sucesso se reencontram e que será transmitido através de https://www.seroparecer.world no próximo dia 26 de dezembro.

“Sinto-me feliz, nervosa, ansiosa, mas acima de tudo agradecido”, destaca Anahí. “Não só porque poderemos reviver essa magia que caracteriza o RBD estando juntos no palco, mas porque poderemos dar sorrisos e música para tantas pessoas depois de um ano que nos quebrou de tantas maneiras.”

Será junto com Maite, Christopher e Christian que Anahí dará felicidade àqueles que são seguidores do RBD há dezesseis anos.

“Seria muito bom poder ser os seis, mas é importante respeitar nossas decisões e entendê-las”, diz Perroni sobre seus colegas Alfonso e Dulce María, que decidiram não fazer parte da reunião.

“Todos têm o direito de tomar decisões que nos façam sentir bem. O resto de nós continua com a ilusão de fazer isso e felizmente continuará. RBD é RBD, somos seis e sempre será assim”.

Por isso, além de uma homenagem musical aos companheiros ausentes, o quarteto optou por um repertório de canções que inclui, entre músicas como, “Inalcanzable”, “Siempre Hestado Aquí” e “Rebelde”, que foram remasterizadas e estarão disponíveis no plataformas digitais.

“Nunca pensei que voltaria a cantar com o RBD, porque o meu percurso musical é diferente”, confessa Uckerman. “Gostei de cantar as músicas de outra perspectiva vocal, criando novas ideias que tornam todo o conceito de RBD novo e único, mantendo a nostalgia.”

De saudades, preparações e tudo o que seus fãs podem esperar desse reencontro Maite, Anahí, Christian e Christopher falaram conosco com exclusividade.

Doze anos se passaram desde que o RBD anunciou a separação, vocês imaginaram que estariam juntos novamente no palco? Sonharam com isso ou desejaram que acontecesse?

Maite Perroni: Sinceramente, nunca acreditei que voltaríamos a ficar juntos, que faríamos de novo, não planejamos, não falamos sobre isso. Nas vezes que fomos convidados [para] fazer uma reunião, nunca nos conectamos com a proposta. Desta vez foi diferente porque surgiu da intenção de partilhar com todas as pessoas que estiveram presentes ao longo dos anos e que fizeram com que o RBD continuasse a existir nos seus corações. E com tudo o que aconteceu este ano e com tudo o que aconteceu por termos partilhado a música do RBD em plataformas musicais, a ideia de partilhar com eles comoveu, festejar o que a música do RBD conquistou com eles. Mas antes deste ano nunca pensamos nisso como algo viável.

Christopher Uckerman: Não estava nos meus planos cantar com o RBD novamente. Foi devido a esses tempos de mudança que nos ocorreu dar um único show global para todos os fãs e fechar o ciclo do RBD.

Anahí: A verdade é que pensei que não fosse acontecer, o RBD sempre se manteve vivo de uma forma ou de outra, mas estar prestes a concretizar é um sonho, ainda não acreditamos.

Christian Chávez: Não, isso não foi planejado de forma alguma, na verdade, começou por causa da pandemia porque estávamos preocupados com como os outros eram e de repente quando o catálogo [de nossas músicas em plataformas digitais] foi lançado, vimos o poder do povo ,estava colocando RBD em todos os lugares e decidimos fazer isso.

Quem deu o primeiro passo para que esta homenagem ao RBD acontecesse?

MP: O primeiro a abordar essa ideia foi Christopher. Ele nos ligou nesses meses e nos perguntou se queríamos fazer uma transmissão ao vivo com nossos fãs e dissemos ‘será?’ Fomos uma das músicas mais ouvidas durante todo o fim de semana, foi quando dissemos vamos fazer algo, em honra e amor [pelos nossos fãs]. São tempos difíceis e não tem sido fácil realizar este projeto, tem havido muitos obstáculos e logísticas a alcançar e coisas [a] planejar, tem sido [um trabalho] com muito amor e desejo para aqueles que querem estar conosco nesse dia.

O que seus fãs podem esperar?

A: Tantas coisas vão acontecer, pode esperar reviver a magia dos shows, mesmo que sejam todos de casa, isso também torna tudo muito especial, porque estaremos conectados com almas de mais de 90 países diferentes. Acho que ninguém sabe 100 por cento o que esperar desse show porque é novo para todos, mas haverá muita magia com certeza.

MP: Irão encontrar um show cheio de nostalgia. E espero que gostem do que vamos fazer e do que preparamos.

 

Ficaram tristes por Alfonso Herrera e Dulce María não terem participado desse show?

CC: Claro que nos entristeceu, mas acho que são momentos na vida de cada pessoa e nós os respeitamos muito e os amamos muito e eles vão fazer parte dessa homenagem porque uma homenagem também será feita a eles.

CU: Eles estavam nas conversas desde o início, [mas] por uma razão ou outra, eles não podiam ou queriam estar lá. Decidimos homenageá-los no programa.

A: Sim, estamos fazendo uma homenagem a eles com uma música. Somos todos RBD, vai ser um momento muito especial.

MP: Seria muito bom poder ter os seis anos, mas é importante respeitar todas as decisões e entendê-las. Todos têm o direito de tomar decisões que nos façam sentir bem. O resto de nós continua com a ilusão de fazer isso e felizmente continuará. RBD é RBD, somos seis e sempre será assim.

Qual é a música estão mais animados para cantar novamente e por quê?

CU: Eu gostava de cantar as músicas de outra perspectiva vocal. Agora com um caminho musical percorrido, gostei de criar novas ideias que tornassem todo o conceito de RBD algo novo e único, preservando a nostalgia. “Inalcanzable” é uma das canções que gostei de cantar e fazer a minha própria.

MP: Novos arranjos foram feitos, são novas versões de músicas que já conhecem, mas sem tirar muito da essência.

A: As músicas foram totalmente reproduzidas com novos arranjos, e o show será gravado ao vivo, então com certeza terá a nova música.

Vocês tem uma ideia dos looks que vão usar?

A: Sim. Estamos a dias de distância. Há coisas que faltam, tenho várias opções, mas já me conheço e sei que estarei escolhendo [as roupas] no dia 26 de dezembro pela manhã.

MP: Existem propostas, que já estão avançando e serão uma surpresa por enquanto. Claro, respeitando a personalidade de cada um.

Qual a sua melhor lembrança do RBD?

A: Eu tenho tantos, existem milhares … impossível escolher um.

MP: É difícil escolher a melhor memória de RBD porque vivenciamos coisas incríveis e inesperadas que aconteceram com o passar dos anos. Tudo o que passamos e tudo o que conquistamos não tem comparação com nada. O que é verdade é que hoje nos reconectamos de um lugar mais adulto e não deixamos de ser aquelas pessoas que éramos há 16 anos, tem sido muito bom ver isso, nos conectamos imediatamente.

CC: O povo, o apoio do povo, ouvi-los gritar, cantar as canções.

CU: Minhas melhores lembranças do RBD são todas as experiências que me levaram a ser quem sou hoje. Meus irmãos e irmãs que cresceram comigo e viveram o que poucos viveram.

Quando o RBD terminou, como vivenciaram essa mudança? Já em suas casas. Que vocês não estava no palco, o que vocês sentiram? VAchara que o RBD foi o auge da sua carreira? Pensaram em se aposentar?

A: Eu tenho trabalhado em minha vida por tantos anos. Depois do RBD, era hora de me dar espaço para começar uma família. Por isso me retirei do palco, porque nunca tive que viver sem trabalhar na frente das câmeras.

MP: Quando oRBD acabou, começa uma etapa muito importante da minha vida porque começo a vivenciar a transição de um lugar diferente. Em 2009, continuei a filmar Cuidado Con El Angel e comecei a filmar Mi Pecado. Nunca tive tempo de parar e pensar sobre isso. Antes de o grupo terminar, surgiram oportunidades em minha vida.

CC: Nunca pensei em me aposentar, mas sabia que RBD era algo único e era difícil me acostumar a ficar fora de casa o tempo todo e de repente o contrário. Mas são etapas da vida e todos temos que viver assim. Existem momentos na vida e devemos ser sempre gratos.

RBD para você foi …

A: Magia

CU: RBD tem sido o maior comercialmente falando (até agora). Entendi que a fama é efêmera e agora o que procuro é inovar, revolucionar. Quero alcançar novos mercados com minha música e trabalhar com os maiores do planeta.

CC: A melhor experiência da minha vida.

Como vocês descreveriam 2020? Como isso mudou vocês?

A: O ano mais difícil, isso nos quebrou em todos os sentidos. Mudou tudo, meu modo de viver 100 por cento. Minha família foi minha força, aquela que me faz lutar diariamente para progredir e acreditar que meus filhos terão um mundo onde possam ser felizes.

CC: Para mim, 2020 é viver no aqui e agora e ser grato por cada dia que você tem de vida.

O RBD veio para ficar? Haverá mais projetos depois do show? Vocês gostariam?

CU: Fecho o ciclo do RBD com este concerto. Grato por tanto e feliz que milhares de seguidores possam nos ver juntos mais uma vez.

Créditos: Site MaiPerroni (Tradução e Adaptação) & People En Español (Entrevista)

Camila Cabral

Uma menina/mulher um pouco com grandes sonhos, com amor imenso pela Maite. Uma de minhas paixões dedicar um pouco do meu tempo ao MaiPerroni.

http://www.maiperroni.org

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *